Porque fazer ROOT no seu D1/D3 ?

Se você já conversou com um usuário do iPhone, provavelmente você já ouviu falar do jailbreak, uma alteração no iOS que permite os usuários utilizar várias funções que a Apple, em acordo com as operadoras ou por decisão própria, preferiu manter fora do seu equipamento.
De certa forma, o root (raiz) de um dispositivo com Android é semelhante ao jailbreak do iPhone, tanto no aumento das possibilidades do aparelho quanto no quesito legal, já que ambos os processos podem anular a garantia do aparelho.

Além disso, existe uma pequena possibilidade de algo dar errado, e seu telefone parar de funcionar. Portanto, um alerta desde o começo: se você desejar o poder liberado com o root, faça-o por sua própria conta e risco! O Club Razr D1 não se responsabiliza por danos que, porventura, acontecerem ao seu aparelho Android por uma tentativa frustrada de obter o superusuário.

Android



Superandroid

Apesar de existir um pequeno risco, tomar as rédeas do sistema operacional do seu telefone tem vantagens significativas e, ao seguir o processo corretamente, as chances de algo dar errado são realmente muito baixas.
Para entender melhor o que significa ter um telefone “rootado”, basta se lembrar da diferença entre um usuário normal e um administrador no Windows, ou o uso do comando sudo no Linux. As permissões e capacidades desses usuários permitem a alteração de configurações avançadas que usuários normais nem desconfiam que existem.
Como você descobrirá ao longo deste artigo, as permissões do superusuário melhoram o desempenho do telefone e oferecem novas possibilidades de utilização.

Android turbinado

Alguns aplicativos exigem que o telefone seja “rootado” para que funcionem no Android. Entre estes, alguns dos mais comuns são os que envolvem o overclocking do smartphone.
Estes softwares alteram a maneira com que processador e memória são acessados, e, portanto, pode aumentar ou diminuir a velocidade de processamento dos eventos do Android.
Se o usuário precisa de maior velocidade, é possível determinar condições ótimas de funcionamento, melhorando consideravelmente o desempenho do aparelho. Da mesma forma, se a intenção for uma maior conservação da carga na bateria, basta limitar a oferta de recursos do sistema.

ROMs alternativas

Uma das grandes diferenças entre um telefone “rootado” e outro sem as permissões do superusuário é a possibilidade de utilizar versões adaptadas do Android. Como o sistema da Google é de código livre, desenvolvedores no mundo todo têm acesso à programação e podem desenvolver alterações personalizadas para os aparelhos.

Pense em versões livres e independentes dos fabricantes de sistemas como o Motoblur da Motorola ou o HTC Sense. Algumas melhorias de interface, aplicativos padrão diferentes e mudanças no gerenciamento de recursos do telefone são as principais características dessas ROMs.

Fonte: TecMundo

Porque fazer ROOT no seu D1/D3 ?
por Geovanne Vercautter
Classificação: 5
Se você já conversou com um usuário do iPhone, provavelmente você já ouviu falar do jailbreak, uma alteração no iOS que permite os usuário...